quinta-feira, 3 de setembro de 2015


LICEU RAINHA DONA AMÉLIA



Palacete da Ribeira Grande já albergou o Colégio Arriaga nos anos vinte e trinta do século XX, entre 1939 e 1949, o Liceu Dom João de Castro e, por fim, o Liceu Rainha Dona Amélia.

Confronta com a Rua da Junqueira e com a Travessa do Conde da Ribeira Grande.

Encontra-se devoluto há mais de uma década, hoje em avançado estado de degradação.

O edifício barroco foi mandado edificar em princípios do séc.XVIII pelo 2º Marquês de Nisa, Dom Francisco Luiz Balthazar António da Gama (1636-1707), general de cavalaria, governador e capitão-general do Algarve, conselheiro de Estado de Dom Pedro II e de Dom João V *) .

Tê-lo-á mandado ampliar o 8º Conde e 1º Marquês da Ribeira Grande, Dom Francisco de Salles Maria José António de Paula Vicente Gonçalves Zarco da Câmara (1819-1872), par do reino e alferes-mór do reino e do castelo de São Brás, em Ponta Delgada *) .


A sua utilização como estabelecimento de ensino obrigou a algumas alterações estruturais, conservando ainda fachada principal e a capela dedicada a Nossa Senhora do Carmo.

Houve, em tempos, uma proposta de classificação, mas, hoje, a situação é "Procedimento caducado - sem protecção legal" devido a "não ter valor nacional".


Hoje, resta do exterior o que as imagens documentam:  degradado, caduco, muitas janelas e portas seladas com tijolo, incluindo as da capela.

Fechado que está o edifício a cadeado, do interior apenas consegui vislumbrar algo da entrada principal e da zona da capela - esta, à direita, talvez exemplificativa de parte daquilo que demais se iria encontrar.



No entanto, se já quando o Liceu ali funcionava algumas zonas do edifício estavam, por razões de segurança, interditas aos alunos, imagine-se, mais de uma década decorrida, as condições em que hoje as iríamos encontrar....


Parece que existe, há anos, um projeto para transformação do edifício escolar num hotel de luxo e museu.   Mas...  em Lisboa, projetos há tantos, não é verdade?



Com a quantidade de hotéis que, a cada mês que passa, parece brotar em Lisboa, o que faltará para o concretizar?

You see, it's what they call "creative inertia" 
"Yes, Minister" - "Tom Sargent"

Então e o museu, de que vai ser?  Já alguém se lembrou de pensar nisso?  Dizer que é de "arte contemporânea", parece um pouco vago.  Até porque já existe.

Assim, até dá ideia de que se lá vai pôr o espaço, e logo se vê, depois, o que lá se vai apresentar.
Quem quiser conhecer o antigo Liceu Rainha Dona Amélia nos seus tempos áureos, não deixe de ler o testemunho emocionado de uma antiga Aluna, no primeiro dos links que abaixo recomendo.

Mas, enfim:  a nossa história está contada.

Por estas imagens, se vê no que aqueles projetos irão, talvez, acabar...

Deixo-vos algumas imagens atuais do exterior, por certo bem diferentes daquelas de que os antigos alunos e professores das diversas Escolas que passaram pelo Palácio para sempre irão recordar.



















*) Dados biográficos extraídos de "PORTUGAL - Diccionario Historico, Chorographico, Biographico, Bibliotraphico, Heraldico, Numismatico e Artistico" - Esteves Pereira e Guilherme Rodrigues - João Romano Torres & Cª Editores - Lisboa 1912







Gostou deste artigo?


Se gostou,

PARTILHE NAS SUAS REDES SOCIAIS!

Assim, a mensagem chegará mais rapidamente a outras pessoas a quem poderá interessar!


Aqui perto, veja também:
ANTIGA FIL  *  PALÁCIO DAS ÁGUIAS



Alguns Links:

O Liceu Rainha D.Amélia & o Palácio dos Condes da Ribeira Grande

Palacete da Ribeira Grande (DGPC)

O Palácio dos Condes da Ribeira Grande, na Junqueira. Análise do Conjunto Edificado

Palacete da Ribeira Grande / Escola Secundária Rainha D. Amélia

Hotel Museu Palácio Condes da Ribeira Grande

8 comentários:

  1. Nunca teve "profundas alterações estruturais".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pela retificação, que já incorporei.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. É, de facto, triste, o mesmo acontecendo com largas dezenas de espaços em Lisboa, cujo estado de abandono motivou a criação do blogue.
      Obrigado pelo seu comentário, bem como pelas sugestões que queira apresentar quanto a novos locais a visitar, ideias essas que são a matéria prima do "Misérias de Lisboa".

      Eliminar
  3. Um País que assim trata o seu melhor património,não é digno ,sequer, de existir.

    ResponderEliminar
  4. Conhecendo por dentro a escola em 1976, quando eu estudava na escola industrial Marquês de Pombal. Já se encontrava em mau estado. Estou de acordo que todo o patrimonio devia ser restaurado. Mas pergunto há dinheiro para o recuperar? Há alguma fonte de receita para pagar as obras depois? Como este palacio temos muitos mais na junqueira do mesmo modo. O autor do Blog tem conhecimento da restauracao de monumentos. Nem a noçao do que é viável. A DGEMN já extinta não viu viabilidade na sua reconstrução. temos 3 978 - bens imóveis
    806 - Monumentos Nacionais
    2 652 - bens imóveis de Interesse Público
    520 - bens imóveis de Interesse Municipal
    15 - classificações de Património Mundial inscritas na lista da UNESCO.
    Não há dinheiro para os manter quanto mais para os reconstruir.

    ResponderEliminar
  5. Após ser Liceu D. João de Castro, foi Liceu Rainha Dona Leonor tendo este sido transferido (o nome) para Alvalade passando a chamar-se Liceu Rainha Dona Amélia...

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...